As Ilhas Afortunadas "Las Palmas de Gran Canaria"

A V ETAPA SERÁ A ÚLTIMA -FUNCHAL PARA LAS PALMAS DE G.C

Porque é que as Ilhas Canárias são chamadas de Ilhas Afortunadas?

Clima de primavera durante todo o ano, vulcões, praias, florestas... não há dúvida de que o arquipélago das Canárias é um dos destinos mais turísticos e favorecidos pela natureza em todo o planeta. Mas porque é que as Ilhas Canárias são chamadas de Ilhas Afortunadas?


As Ilhas Canárias são chamadas de Ilhas Afortunadas devido à mitologia da Grécia Antiga que as relaciona ao seu paraíso. De acordo com esse mito, as chamadas Ilhas Abençoadas eram aquelas em que o descanso eterno era alcançado. Este lugar ficava no mesmo mundo mas num local de muito difícil acesso, para além das colunas de Hércules que se localizavam no Estreito de Gibraltar, e que coincidem com a localização dos arquipélagos da Macaronésia.


Mito das Ilhas Afortunadas

Com o passar dos anos e com o aparecimento dos navegadores, o mito grego das Ilhas Afortunadas ganhou força com os seus paraísos que tinham nomes próprios: Campos Elísios e Jardim das Hespérides. Dessa forma, novos lugares começaram a ser descobertos além do mundo conhecido até então, entre eles algumas ilhas que exigiam a travessia do Oceano Atlântico afastando-se das Colunas de Hércules.


Estas Ilhas Abençoadas foram descritas como um paraíso da natureza, ilhas selvagens de terra fértil onde o homem não teria que trabalhar, mas simplesmente colher os frutos das plantas e das árvores. Ao longo do tempo, as ilhas da Madeira foram relacionadas com o arquipélago das Canárias ou com algum outro arquipélago da Macaronésia.


Embora seja verdade que nunca foi claro, e pode nunca ser conhecido, o certo é que as Canárias são ilhas de muita sorte, como irá descobrir participando nesta última etapa Funchal / Las Palmas de Gran Canária.


A V E ÚLTIMA ETAPA - FUNCHAL / LAS PALMAS DE GRAN CANARIA

Largada: 04 agosto (5ª feira) – 19H00 – Largada do Funchal com destino a Las Palmas de Gran Canaria / Canarias - Distância 282 milhas.


Chegada: 07 agosto (domingo) – 09H00 – Hora limite de chegada a Las Palmas de Gran Canaria / Canarias.

REAL CLUB NÁUTICO GRAN CANARIA:

O Real Club Náutico de Gran Canaria é praticamente a segunda casa da Confradía Europea de la Vela. Devemos agradecer especialmente às duas últimas Diretorias do Clube por isso: a primeira, liderada pelo ex-presidente Fernando del Castillo Morales, que nos deu a confiança e o apoio necessários para podermos organizar a primeira edição da Discoveries Race em 2017; A atual Diretoria, encabeçada pela Presidente Maica López Galán que, conhecendo-nos desde a II Edição em 2019, nos ofereceu a mesma colaboração e o mesmo entusiasmo para receber a III edição da Discoveries Race 2022. Em nome da Confradía, aproveito esta oportunidade para lhe dizer que lhe estamos profundamente gratos e sinceramente desejamos o melhor nos seus futuros projetos. Este é o segundo mandato de López Galán, que se estenderá até 2025, com um programa sob o lema "Construindo o futuro juntos".


UM POUCO DE HISTÓRIA:

O Real Club Náutico de Gran Canaria é um clube privado fundado em 1908 por um grupo de figuras proeminentes da Gran Canaria. Presidida pelo fundador e primeiro presidente, Gustavo J. Navarro Nieto, a finalidade estatutária é promover a prática de todos os desportos náuticos, organizar eventos culturais e artísticos, proporcionar aos associados todo tipo de jogos legais, atividades desportivas, festas e entretenimento social. Também incorporou o propósito de promover e desenvolver o turismo na Gran Canaria.


Ao longo dos mais de 100 anos de história deste clube, o Rei e a Rainha de Espanha, Afonso XIII e Juan Carlos I, exerceram a sua presidência de honra. Dada a convergência do Cais de Santa Catalina e do Sanapú na década de 1960, devido à reorganização portuária, o Real Club foi transferido para o sul do Arsenal Naval pertencente à Marinha, onde está localizada a atual sede. Hoje ocupa uma área de 45.000 m2 e possui um porto com 135 berços e uma marina seca com rampa de lançamento, que permite o estacionamento de mais de 150 veleiros leves. Totalmente equipado para serviços marítimos, o porto possui um “Travelift” para docagem de embarcações, com capacidade de até 60 toneladas.


O RCNGC é a entidade desportiva mais bem-sucedida na área da vela ligeira do mundo, tendo o maior recorde de campeões nas diferentes modalidades e tendo conquistado os seus atletas, na equipa olímpica espanhola, sete medalhas de ouro.

Confrade Enrique Boissier
Confrade Enrique Boissier

A ideia desta travessia oceânica nasceu nas mesas temáticas da Cofradía Europea de la Vela, realizadas por ocasião da entronização de novos Confrades na cidade do Porto em setembro de 2015. Durante o evento, o Confrade Enrique Boissier (muito ligado ao RCNGC), apresentou a ideia de reviver a antiga regata Brest-Las Palmas, que foi muito bem recebida. De facto, levou um grupo de Confrades a começar a amadurecer o assunto, e a centrar-se inicialmente na criação de uma regata para homenagear os dois grandes descobridores dos séculos XV e XVI, Espanha e Portugal.







HISTÓRIA DA CIDADE:

Las Palmas de Gran Canaria está localizada a nordeste de Gran Canaria, da qual é capital.

Fundada oficialmente pelo capitão Juan Rejón em 24 de junho de 1478, nas margens da ravina da Guiniguada, junto a uma exuberante floresta de palmeiras, logo ficou conhecida como “Real de las Tres Palmas” e, não muitos anos depois, como a Villa de Las Palmas, que em 1515 recebeu o título de Muito Nobre Cidade Real de Las Palmas. Logo seria composta pelos bairros de Vegueta, Triana e os assentamentos dos Riscos de San José, San Juan, San Roque e San Nicolás. O atual "centro histórico da cidade".


Ao longo do século XVI, chegaram vários grupos populacionais de várias zonas da Península Ibérica, como Génova, Portugal, Holanda ou norte de França, sem esquecer os judeus e mouros, ligados às atividades mercantis, à introdução de culturas novas e rentáveis, como a cana-de-açúcar e a vinha, ou ao antigo comércio de orchilas. O esplendor económico e o desenvolvimento urbano alcançados no início do século XVI atraíram a atenção de mercadores e marinheiros, além de piratas e alguns exércitos inimigos, com ataques como os de Francis Drake em 1595 e Pieter Van der Does em 1599.


Após quase dois longos séculos de decadência e letargia por detrás das suas muralhas, a cidade recuperou o seu ânimo nos últimos anos do século XVIII com a chegada das ideias do Iluminismo. A indústria da cochonilha e a construção do novo porto no século XIX tiraram definitivamente Las Palmas da sua letargia anterior, que beneficiou da presença e atividade de gerações de jovens muito inquietos e prefeitos destacados como Antonio López Botas (1861-1868) ou Ambrosio Hurtado de Mendoza (1903-1908). Em meados do século XIX, a cidade começou a estender-se em direção à baía de La Isleta, o atual Puerto de La Luz, cuja construção em 1883 levou à modernização da cidade. Sem o Porto, Las Palmas de Gran Canaria seria outra. A construção do Porto de La Luz implicou também uma transformação económica, social e cultural que marcaria o aparecimento de uma nova cidade no início do século XX. Entre o Porto e Triana surgem os bairros de Los Arenales e Ciudad Jardín, bairro favorecido no século XIX pela colónia inglesa que introduziu novos costumes.


PODE LER O ARTIGO COMPLETO NESTE LINK

A Cofradía Europea de Vela destaca a importancia da colaboração para a concretização da III Edição da "Discoveries Race".


Neste tipo de projeto, são alcançadas alianças entre diferentes agentes que compartilham perícias e competências para aumentar as chances de sucesso e passar pelo claro benefício para as entidades colaboradoras (win-win).


Muito obrigado.



30 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo